Thai tips 🇹🇭

Olá olá,

Ah Tailândia, paraíso, fotos “mete nojo”, muito Pad Thai…

Bem decidi aplicar o tempo morto do voo de volta para deixar algumas dicas para quem planeia visitar este lindo país.

O meu roteiro foi:

  • 2 dias em Bangkok
  • 5 dias em Krabi 
  • 2 dias em Phuket

Começando então por Bangkok:

É uma megaaa cidade, muita vida, muita nacionalidade misturada, comida, mercados, barulho. No centro é onde tudo acontece.

Mas o que visitar e fazer:

  1. Templos como Wat Pho (Buddha reclinado) e Grande Palácio 
  2. Mercados como os mercados à noite em Silom, ao pé dos centros comerciais MBK e Platinum. O Floating Market. Aqui atenção há vários mas os mais conhecidos são um pouco afastados do centro, terão que ir de transporte para depois apanhar um barco privado. E atenção aos “deals” que vos sejam propostos (vejam o ponto abaixo dos cuidados a ter). 
  3. O centro comercial MBK, um género de centro comercial tipo Martim Moniz com um pouco de tudo, inclusive as famosas réplicas de grandes designers, ainda que a qualidade não compense. Destaco apenas uma loja no piso térreo do lado esquerdo, ao fundo do corredor, tem réplicas de sapatos, nomeadamente os studded da Valentino quem, quem tiver a sorte de apanhar o número, será abençoado 😇
  4. Rooftops para beber um cocktail e sentir “a outra face da moeda” que não a vida normal de rua. Quase todos os grandes hotéis oferecem estes locais, com vistas maravilhosas. Atenção ao dresscode (abaixo nos cuidados a ter, explico melhor o que usar)
  5. Jim Thompson’s house. É uma casa museu com uma linda história e que faz parte integrante da história da Tailândia até pela ligação ao mercado da seda
  6. Comer, comer, comer. Em todo o lado, tudo. Desde fritos, a massas, arroz, carne, peixe, picante, sem molho, ele há de tudo e para todos os gostos. Desde mercados, a barracas de rua, a restaurantes, tudo é bom e, claro, barato. ​​Chegámos a comer numa barraquinha de rua, numa de aventura a pedir gastroentrite, por 30bht (€0,60 😳)​​​
  7. Massagens maravilhosas e super baratas. Aos pés, à cabeça, ao corpo inteiro. As tailandesas estão para as massagens como as brasileiras para a estética: dominam! Nada melhor que uma massagem (apelidada de reflexologia, ainda que quanto a isto tenha as minhas dúvidas) aos pés e ombros depois de andar quilómetros a bater pé. Por 200bht (aproximadamente €4) temos direito a isto, vá-se lá ver…

Cuidados a ter:

  1. Negociar TUDO! Chega a tocar no nervo central (confesso que por pouco ia cometendo ofensas à integridade física de um nacional) mas temos que seguir a filosofia do Buddha e ter calma! Sorrir e negociar é a solução para esta cidade passar de um inferno ao paraíso, acreditem. Negoceiem sempre de antemão o preço do tuk-tuk e do táxi antes de entrarem. Por uma distância aproximada de 10km conseguimos negociar 200bht. Quanto aos preços de artigo, digam que viram mais barato noutro local e não tenham medo de praticar o bluff à grande... Just walk away proudly 
  2. Roteiros sugeridos por desconhecidos: NUNCA! Para terem uma noção, já tinha consultado inúmeros blogs, como obcecada que sou, de forma a ter aluna noção do que me esperava, pois bem que aconteceu? Também eu fui enganada!!! Desde um motorista de autocarro privado muito simpático que providenciou um mapa, como quem não quer a coisa, aconselhando sítios para visitar e o preço que devíamos pagar pois “os taxistas vão tentar cobrar isto mas vocês só pagam aquilo” e voilá, depois de já ter lido, eis que vivenciei a coisa: prontamente chamou um tuk-tuk negociou um peço super baixo (por norma 20bht) para nos deixar num local em que estava um amontoado de pobres turistas a pagar 1000bht por uma visita ao floating market que poderiam fazer por 300bht. Apesar de rejeitarmos assim que nos apercebemos, não deixou de ferir o orgulho. Além disto, é normal um qualquer cidadão na Rua vos abordar, começar a falar muito simpaticamente e pow, a mesma conversa, 20bht de táxi e façam este tour. Portanto keep in mind que há ali um género de máfia de extorsão do turista, nada de mais mas que pode ser evitável se ficarmos mais alerta. 
  3. Tours ao floating market em pequenas docas sem tour organizado. Ao ponto de fazermos um remix que cantávamos todos os dias, os vossos ouvidos ficarão infestados com palavras como “taxi cab?” “Pad Thai?” “Massage” “Tuk-tuk?” “Floating market?” Pois bem, quanto a este último, cuidado. As tours ao floating market por norma são organizadas e publicitadas nos hotéis, nas ruas através de fotografias e panfletos mas atenção porque na tentativa de fugir a estes chamamentos, pode ser pior a emenda que o soneto. Por isto quero dizer que pequenas docas e barcos, quase sem ninguém que sem querer a coisa propõem um tour barato ao floating market, que demora uma hora, sem qualquer fotografia, roteiro fixo, fujam! Muitos são tours que vos levam ao fundo do rio onde encontram 2 ou 3 barcos com tralha em cima e voltam para trás. Portanto nada de floating market. Aqui sim, o barato sai caro! 
  4. Água 💦 Sim sim, essa coisa essencial. Só em garrafa selado e nada de gelo. Primeiro o gelo é água reutilizada dezenas de vezes, acreditem, vi de tudo. Depois os jarros de água que oferecem em muitas barracas são obviamente da torneira e portanto algo a evitar também. Quanto a garrafas de compra, sempre seladas.

Krabi – o Paraíso 🌴🌊

Ficámos no Beyond Resort: lindo! 
Aqui só há uma regra: evitar Ao Nang e Krabi Town para pernoitar. São um must para visitar mas nada aconselhável pois é onde se concentra todo o mundo do turista mas a praia em Ao Nang não é bonita e foge muito ao conceito do paraíso e Krabi Town e muito pouco para oferecer excepto o pequeno mercado no seu centro.

Tours mega aconselháveis: Phi Phi (claro) e Hong Island. No entanto deixo a dica, apesar de ser mais tentador e fácil marcar um tour já organizado, acreditem que perderão o melhor que estes paraísos têm para oferecer. Dica: negoceiem com um barco privado ou apanhem ou ferry e assim ficam a tempo que quiserem e vêm a verdadeira beleza das ilhas. Já os tours limitam a jogar os turistas nos pontos combinados por nunca mais de 50 minutos e com centenas de pessoas à mistura… 

Aqui o transporte será tendencialmente mais barato pois os táxis não obstante terem preços já fixos são (claro) negociáveis.

Por fim, Phuket:

Adorámos! Mas confesso que muito teve que ver com o magnífico hotel: Thavorn Beach Village & Spa​

Piscina gigante, a circundar grande parte do hotel, com imensa vegetação e vida animal.

Quartos com decoração cuidada e wc, na parte do duche, maravilhoso!!!

Bons restaurantes e bares e boa relação qualidade preço.

Vista para a praia.

O centro de tudo é Patong. Um Algarve tailandês autêntico. Tudo focado no turista. Uma vantagem é que não falam inglês de desenrasque, em Phuket percebemos a importância do turismo por pequenos pormenores como as direcções e menus terem sempre tradução em inglês. 

Aqui já encontramos os bares e restaurantes para turista com a característica música ao vivo, preços ligeiramente mais altos, menos regateamento e ao contrário das tonalidades bronzeadas de pele, o branco e ruivo predomina! 

O mercado das mensinas é imenso pois aqui as massagens já mencionadas acima são, por norma, o início de uma bela amizade entre massagista e cliente, digamos. Portanto se prepara para o ataque, ainda que indo em casal essa abordagem não chegue a ser feita agressivamente.

Para os adeptos de réplicas, estarão no paraíso pois todas as barracas gritam Louis Vuitton e Chanel. Para quem tem verdadeiro interesse, sugiro que entrem mesmo nas lojinhas e perguntem se têm mais pois a maioria delas estão nas salas fechadas no fundo das lojas. Confesso que ia fisgada para praticar o “quem não tem cão caça com gato” e comprar uma Chanel só para fazer o gosto mas deparei-me com réplicas que me remontam ao tempo da famosa feira de Cascais (para quem teve o prazer de frequentar este spot da moda há uns bons anos atrás) por isso, para quem tem essa mesma expectativa, sairá desolada como eu saí 😢.

O centro de Phuket Town também é onde muitos mercados se encontram. Acima de tudo o mercado nocturno aos fins-de-semana, muito famoso por vender de tudo e ser um local frequentado tanto pelos nacionais como por muitos turistas. Souvenirs e comida encontrarão aqui com muita fartura. Outros mercados circundantes também captam a atenção, como o mercado vintage e indie, para diferentes gostos, não deixem de procurar a localização pois por vezes altera.

Por fim e muito importante: MOSQUITADA E SOL! Repelente de mosquitos all day, everyday. As nossa pernas serão como um ossinho para uma matilha de centenas. E protector solar mesmo! Não aconselho aventuras com pretexto de querer ficar maravilhosa para um evento pois na sombra também queimamos e acreditem (falo por experiência) nada pior que chegarmos ao fim das férias a pelar como uma cascavel.

Et voilá, c’est ça. 

Um local lindo que deixa muita saudade.

🖤Eli

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s